Kalunga System

6 Set, 2019 - 12 Out, 2019

De 3ª a Sábado. Das 10h às 19h.

Ver Video

A Experiência Verkron é uma experiência empoderadora e muito intuitiva. É um movimento de almas velhas que se encontram em Luanda moderna procurando formas alternativas de existência e de concepção de uma nova linguagem que transmita sabedoria ancestral. A meu ver, eles representam uma geração de artistas contemporâneos que se engajam no espaço artístico nos seus próprios moldes, sem qualquer ânsia de conformidade ou procura de uma qualquer aprovação. Experienciei um colectivo de artistas em busca de algo mais além do tangível, em sintonia com o seu mundo e com outros mundos. Uma nova geração de artistas africanos que se confrontam com a incontornável questão: por um lado o questionar da nossa própria identidade no sentido “com o que é que nos identificamos? “ ; por outro lado, o que nos foi imposto como continente. Não têm medo de penetrar em territórios desconhecidos e de arranhar mais além da superfície. O trabalho é profundo, perturbador e aborda uma série de questões melindrosas. Há uma linha ténue entre o político e o espiritual, o feminino e o masculino; essa mesma linha é simultaneamente gentil e incisiva. Leva-nos a uma introspeção no sentido de nos apercebermos e de nos lembrarmos de quem somos para além do físico.

Kalunga System

Nós mais uma vez discernimos a linha ténue e perigosa entre o político e o espiritual, através da qual Verkron propõe uma revolução psicológica. Identificada nesta exposição está uma interessante dinâmica relativa a diferentes símbolos que demonstram Uanga (magia) de uma forma desenfreada e como ela contrasta com os símbolos libertários, neste caso, a anarquia.A abstração de unir Uanga a ideais políticos salvaguardados pela anarquia das massas, sugere um repescar de elevados valores humanos, lançando desta forma a base para uma revolução concebida por poderes místicos, que se erguem em direção à utopia. Deste modo, a exposição Kalunga apropria-seda ficção como forma para expressar e propor ideias. O uso predominante de máscaras rituais, gorros e rostos escondidos são utilizados para expressar conceitos modernos de vandalismo, anonimato em relação à magia. O mural com o nome de xinguilamento é o elemento chave para a compreensão da exposição: Presentes estão conceitos de comunicação entre o indivíduo e unidade, desta forma a razão para que Espíritos e deuses se manifestem, entidades estas que o fazem através da sua encarnação em anarquistas e vândalos: a intenção de serem compreendidos. O ser perde a sua identidade ao entregar-se a uma entidade mais sábia que se manifesta através dele – novamente encontramos o duplo significado deste símbolo usado por Verkron – Somente o indivíduo que recebeu esta entidade no seu corpo tem o poder de se destituir e de procurar o bem maior dentro de uma sociedade. Em todos estes conceitos propostos, há um argumento favorável aos sonhos e aos universos fantásticos que oferece uma proposta de morte, mas não em sentido pejorativo.

Vida, paixão, mistério e fraternidade creio que é o que Verkron nos propõe neste trabalho.

Nkuli Mlangeni